Problemas de rede no Mac? Conheçam estes 5 comandos

O terminal do macOS é uma ferramenta extremamente poderosa! Apesar de não disponibilizar nativamente muitos dos comandos que existem nas distribuições Linux, estes podem ser facilmente instalados recorrendo a gestores de pacotes como por exemplo o Homebrew.

Hoje deixamos-lhe um conjunto de 5 comandos muitos úteis para ver e analisar eventuais problemas com a rede.

1) ifconfig

Um dos métodos mais rápidos de saber o endereço IP (e outras configurações de rede) de uma máquina é acedendo à linha de comandos e escrever o comandos ifconfig

 

2) Ping

Um dos métodos que normalmente usamos para saber se uma máquina está “viva” na rede, é recorrer ao comando ping.

O PING (Packet InterNet Groper) é um utilitário presente em quase todos os sistemas operativos que permite saber se uma determinada máquina remota está acessível ou não (descartando as firewalls). Além disso, esta ferramenta pode dar-nos também alguma informação sobre o próprio estado da rede (ex. latência, congestionamento, etc).

O comando ping recorre ao ICMP (protocolo de mensagens de controlo de rede) enviando um pacote específico para uma determinada máquina e espera pela resposta (registando o delay). Este delay é denominado de latência. Em termo de analogia, o ping pode ser comparado ao ping-pong (se enviarmos a bola para um lado (echo request), do outro lado, se estiver lá alguém, vamos receber uma resposta (echo reply).

 

3) Traceroute

Com o traceroute podemos saber, em tempo real, todo o caminho (ou seja, quais os routers por onde passa a nossa comunicação), da origem até ao destino. O traceroute pode ser utilizado para detetar falhas em routers/gateways intermediários.

Esta ferramenta faz uso do campo TTL (time to live, que define o número de “saltos” que um pacote pode dar entre routers até que seja descartado) do protocolo IP, sendo que o valor desse campo é decrementado cada vez que o pacote é reencaminhado por um router. Quando esse valor chega a zero, o router descarta-o e devolve uma mensagem de erro.

 

4) nslookup

O DNS (Domain Name System), é responsável pela tradução de nomes, em endereços de IP. Todos os websites que visitamos têm associado um endereço de IP.

Que tipos de registos se podem encontrar num servidor de DNS?

  • A – registo associado a um IP do tipo v4. Geralmente utilizados para fazer a correspondência entre um nome e um endereço;
  • AAA – registo associado a um IP do tipo v6. Geralmente utilizados para fazer a correspondência entre um nome e um endereço;
  • MX – Aponta para os servidores de e-mail do domínio. A este registo está sempre associada uma prioridade, que determina qual o servidor que é resolvido em primeiro lugar;
  • NS – indica qual o servidor autoritário de um determinado domínio;
  • CNAME – Basicamente são alias de um determinado domínio;

O comando nslookup é um tipo de canivete suíço para avaliar o funcionamento de servidores de DNS.

 

5) netstat

Uma das ferramentas mais usadas para saber as ligações estabelecidas entre a nossa máquina e outras é o Netstat. Com esta ferramenta podemos saber ainda, detalhadamente, quais os portos de comunicação TCP e UDP abertos na nossa máquina, ver tabela de encaminhamento, estatísticas das interfaces, etc.

Estes são alguns dos comandos que costumo usar com alguma frequência no macOS e que considero bastante úteis para ver e avaliar problemas na rede. Estes comandos dão-nos informação preciosa, não havendo assim a necessidade de instalar aplicações de terceiros para fazer troubleshooting.

Fonte: pplware
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s